Caminhos para a sustentabilidade da vida: revisão teórica e diálogo com as práticas de mulheres coletoras da Rede de Sementes do Xingu, Brasil

  • Alessandra Schwantes Marimon Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil
  • Márcia Tait Lima Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil
Palabras clave: cooperação, Amazônia, gênero

Resumen

Este artigo coloca em diálogo alguns conceitos que fazem parte de diferentes práxis feministas – economia feminista, ecofeminismo, feminismo popular e rural – a partir de reflexões suscitadas pelas práticas e discursos de mulheres coletoras da Rede de Sementes do Xingu, no Brasil. Essa aproximação é parte de uma pesquisa em andamento que inclui a realização de entrevistas com algumas dessas mulheres e a observação participante em encontros e eventos da Rede. Diferentes conceitos serão trabalhados de forma integrada, como parte de uma visão ampla sobre gênero, ambiente, conhecimento e desenvolvimento, reconhecendo as práticas e saberes de grupos de mulheres em contato direto com a natureza, em sua dimensão transformadora e de vivência real da sustentabilidade da vida. É uma forma de pensar e atuar que dialoga especialmente com o ecofeminismo e com propostas de alternativa ao atual modelo de desenvolvimento e de mercantilização da vida. No caso das coletoras de sementes, ressaltamos o papel central das mulheres na rede, sua autonomia e o desenvolvimento de conhecimentos e tecnologias. Elas também fortalecem o “coletar” como um modo de extrativismo não predatório que se contrapõem a modelos de neoextrativismo com amplos impactos socioambientais em curso em nosso continente.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Publicado
27-11-2019
Cómo citar
Schwantes Marimon, A., & Tait Lima, M. (2019). Caminhos para a sustentabilidade da vida: revisão teórica e diálogo com as práticas de mulheres coletoras da Rede de Sementes do Xingu, Brasil. Otra Economía, 12(22), 220-237. Recuperado a partir de https://revistaotraeconomia.org/index.php/otraeconomia/article/view/14803
Sección
Sección Especial: Las Otras Economías en perspectiva de género