Solidariedade e a vida das mulheres na Grande São Paulo: A experiência da Associação de Mulheres na Economia Solidária do estado de São Paulo, Brasil

  • Beatriz Carrascosa von Glehn Schwenck Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil
Palabras clave: economia solidária, feminismo, solidariedade

Resumen

Este artigo traz algumas reflexões sobre as condições de construção de solidariedade entre e por mulheres moradoras das periferias da Região Metropolitana de São Paulo, partindo da experiência da Associação de Mulheres na Economia Solidária do Estado de São Paulo (AMESOL), cujo contato tive por meio de uma pesquisa-ação desenvolvida ao longo de 2018 e 2019. As condições forjadas na territorialidade da Grande SP e atravessadas por questões relativas ao gênero provocam a mobilização de uma visão substantiva da economia (à luz do pensamento de Karl Polanyi), interpelada pela crítica feminista a respeito do trabalho reprodutivo historicamente sob responsabilidade das mulheres. Sustentada pela necessidade de ampliar as concepções de solidariedade para reconhecer as formas existentes (e muitas vezes invisíveis) das práticas solidárias das mulheres, argumenta-se repensar a atualidade e evolução da economia solidária no Brasil, tanto como campo teórico como para a construção de políticas públicas que respondam diretamente à realidade e demandas concretas das mulheres.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Publicado
27-11-2019
Cómo citar
Carrascosa von Glehn Schwenck, B. (2019). Solidariedade e a vida das mulheres na Grande São Paulo: A experiência da Associação de Mulheres na Economia Solidária do estado de São Paulo, Brasil. Otra Economía, 12(22), 120-132. Recuperado a partir de https://revistaotraeconomia.org/index.php/otraeconomia/article/view/14827
Sección
Sección Especial: Las Otras Economías en perspectiva de género